Fundos Imobiliários

Fundos de investimento imobiliário - Top 5 gestoras

Fundos de investimento imobiliário - Top 5 gestoras
Junte-se a mais de 45.000 pessoas

Entre para a minha lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Desde que comecei a investir no mercado financeiro há pelo menos 11 anos, fui aprendendo com o passar dos anos como a gestão de um fundos de investimento imobiliário é importante.

Nos últimos anos, com a expansão do mercado de fundos de investimento imobiliário (FIIs), o papel das gestoras de FIIs se tornou ainda mais fundamental num cenário tão competitivo.

Desse modo, o sucesso ou fracasso de FIIs ao longo do tempo dependerá de como a gestão se comportará diante das mudanças do mercado imobiliário.

Para falar um pouco sobre esse assunto, resolvi fazer um artigo que vai citar ALGUNS exemplos de gestoras que no presente (junho / 2020) fazem, um trabalho diferenciado.

Só pra lembrar que estou expondo a minha opinião sobre o assunto, então não é uma indicação de compra ou venda, certo?

Algumas das gestoras de fundos de investimento imobiliário que me chamam a atenção…

1- Credit Suisse Hedging-Griffo (CSHG)

Em primeiro lugar, vamos falar da Credit Suisse Hedging-Griffo, ou CSHG, que é uma das gestoras mais consolidadas e experientes do mercado de fundo de imobiliário imobiliário.

A princípio, a CSHG começou a sua operação no mercado imobiliário no ano de 2003 e possui um ótimo trabalho em vários fundos imobiliários conhecidos do mercado.

Certamente, o principal fundo imobiliário da Credit Suisse Hedging-Griffo é o CSHG Logística, ou HGLG11, um dos maiores FIIs da B3.

Inegavelmente, o HGLG11 é um dos FIIs mais negociados na B3 e que conseguiu sobreviver a várias crises como a crise de 2008, graças ao seu excelente trabalho de gestão da CSHG.

Caso queria conhecer um pouco mais sobre o HGLG11, leia esse artigo do blog.

A Credit Suisse Hedging-Griffo ainda faz a gestão de outros FIIs muito conhecidos no mercado imobiliário como:

  • CSHG GR Louveira, ou GRLV11;
  • CSHG Prime Offices, ou HGPO11;
  • Castello Branco Office Park, ou CBOP11;
  • CSHG Recebíveis Imobiliários, ou HGCR11;
  • CSHG de Renda Urbana, ou HGRU11.

Ou seja, a CSHG possui fundos bastante conhecidos e com um número crescentes de investidores. Os relatórios da CSHG são bem detalhados e conseguem passar as informações essenciais aos cotistas.

Recentemente, um “movimento” que me chamou bastante a atenção para o posicionamento da gestora foi a expansão do HGRU11, fundo criado em 2018.

Antes disso, o HGRU11 tinha somente um imóvel em seu portfólio locado para a IBMEC. Na segunda emissão, o fundo comprou 12 imóveis que foram locados para empresas do setor varejista e educacional.

Nesse movimento, o fundo ampliou absurdamente o seu valor patrimonial de mercado e teve uma ótima diversificação em termos de imóveis.

Caso queria conhecer mais sobre o HGRU11, basta clicar aqui.

Por todos esses fatos, eu considero a Credit Suisse Hedging-Griffo uma das melhores gestoras do mercado de FIIs.

2 – Rio Bravo

Em segundo lugar, vamos falar sobre a A Rio Bravo que é uma gestora que iniciou suas atividades no ano 2000, atuando nos segmentos de fundos de investimento imobiliário, renda fixa e multimercado.

Embora seja uma gestora menos conhecida que a CSHG, a Rio Bravo possui fundos imobiliários mais conhecidos e outros com um ótimo potencial de crescimento futuro. Entre eles:

  • Grand Plaza Shopping, ou ABCP11;
  • SDI Rio Bravo Renda Logística, ou SDIL11;
  • Rio Bravo Renda Varejo, ou RBVA11;
  • Shopping Pátio Higienópolis, ou SHPH11;
  • Via Parque, ou FVPQ11;
  • Rio Negro, ou RNGO11.

A gestora tem mostrado um trabalho bastante consistente nos últimos anos, o que me tranquiliza como cotista e investidor.

Além disso, um ponto positivo é a estruturação dos relatórios da gestora que são detalhados e com informações claras aos cotistas.

Como principal movimento que me chamou a atenção, destaco a fusão entre o RBVA11 com o Santander Agências (SAAG11).

Nesse sentido, o RBVA11 passou a ter uma diversidade absurda de imóveis que poderiam ser locados não somente para agências bancárias, devido a sua característica um pouco mais adaptável.

Então, esse movimento foi bastante interessante considerando o atual momento de ampliação do mercado de FII.

3- XP

Atualmente, a XP é uma das maiores corretoras do Brasil. Além disso, a XP Asset Management também tem tudo para ser uma das maiores gestoras do mercado brasileiro.

Hoje, a XP gestora é responsável pela gestão de FIIs com pouco tempo de mercado, mas que já mostraram a que vieram!

Os fundos como XP Malls (XPML11), XP Industrial (XPIN11) e XP Logística (XPLG11) têm crescido absurdamente em termos de diversificação.

Se quiser conhecer mais detalhes sobre o XPML11, basta clicar aqui.

Ou seja, a gestora tem uma postura bastante arrojada no mercado. Entretanto, a única ressalva a ser feita são os processos de alavancagem que a gestora assume para ampliar determinados FIIs.

4 – Alianza

A Alianza é uma gestora fundada em 2011 com foco exclusivo em investimento no mercado imobiliário.

A gestora, uma das mais novas do mercado imobiliário, chegou com tudo no mercado em 2018 com o fundo ALZR11, o famoso “Alzirão”.

Caso queria saber mais sobre o “Alzirão”, é só clicar nesse link.

O primeiro fundo da Alianza chegou com uma proposta bastante interessante pelo fato de ser híbrido e pela diversificação em seu portfólio com imóveis bem localizados.

Além da proposta do ALZR11 que me agrada bastante, destaco o posicionamento da gestora na estratégia de aquisição de novos imóveis e pela grande transparência com os cotistas.

Vejo que a Alianza tem potencial para ser uma das grandes gestoras do mercado de fundos imobiliários nos próximos anos.

5- RBR Asset Management

Recentemente, num estudo da comunidade, começamos a observar uma gestora também relativamente nova, a gestora RBR Asset Management.

A RBR tem fundos ainda pouco conhecidos no mercado imobiliário, mas que aos poucos tem mostrado um grande potencial de crescimento. Entre eles:

  • RBR Properties, ou RBRP11;
  • RBRY11 ou RBR High Yield;
  • RBR High Grade, ou RBRR11.

Durante esse estudo, ao analisar um dos relatórios da gestora, nos deparamos com uma gestora que deixa de forma muito transparente aos cotistas como ela atua no mercado.

Então, a gestora define os seguintes critérios como estratégia principal:

  • Core à investimentos em “tijolo” diretamente ou FII exclusivo;
  • Tática à Via FIIs listados, buscando arbitragens;
  • Caixa à Renda Fixa, LCIs, CRIs, buscando melhorar o “carrego” do fundo;
  • Desenvolvimento / Retrofit à Direto ou Via FIIs, quando identificamos oportunidades de construir muito abaixo do preço que o mercado negocia.

Além da clareza da gestora, a RBR tem um fundo extremamente promissor que é o RBRP11 que é um fundo híbrido com grande potencial de crescimento pela aquisição de lajes corporativas e galpões logísiticos.

Antes que alguém reclame: outras gestoras de fundos de investimento imobiliário…

Obviamente que existem outras gestoras que fazem um excelente trabalho como a Kinea, contudo o objetivo do post era citar as gestoras que me surpreenderam positivamente nos últimos tempos!

Espero que vocês tenham gostado dessa pequena análise das gestoras de fundos de investimento imobiliário!

Você curte essas gestoras? Tem os fundos que foram citados no texto?

Me responde abaixo!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *