O Monge e o Executivo. Resumo do livro e o Aprendizado

Sou uma pessoa que lê muito, principalmente livros relacionados a investimentos, negócios e empreendedorismo, o livro O Monge e o Executivo foi uma das minhas primeiras leituras relacionadas a este mercado.

Muitas pessoas buscam na internet resumos e textos breves para entender um pouco da história antes de comprar ou simplesmente para utilizar os resumos quando não se tem muito tempo de ler o livro todo.

Por esse motivo eu resolvi escrever alguns resumos para aqueles que me acompanham e vou começar com esse clássico sobre liderança.

Resumo de “O Monge e o Executivo”

o monge e o executivo resumoJames C. Hunter, consultor de uma empresa de relações de trabalho e de treinamento, possui mais de 30 anos de experiência, sendo solicitado como palestrante e instrutor nas áreas de liderança funcional e de organização de grupos de trabalho.

Um de seus principais livros é O Monge e o Executivo, que fala sobre a importância da liderança e do relacionamento entre o líder e seus liderados.

Aqui, vou apresentar um resumo de O Monge e o Executivo, uma história sobre personagens fascinantes, onde o autor apresenta alguns conceitos essenciais para serem aplicadas no nosso dia a dia, ajudando a nos tornar pessoas melhores e abrindo os caminhos de nossa vida profissional para o sucesso.

“O Monge e o Executivo” conta a trajetória de John Daily, um gerente geral de uma grande indústria que se tornou um bem sucedido homem de negócios. Casado com uma linda mulher, Rachel, ambos viveram felizes por muitos anos.

No entanto, como Rachel não podia ter filhos, o casal adotou um menino, que foi batizado com o nome de John Junior.

Depois de dois anos da adoção, Rachel ficou grávida de uma menina, a quem o casal chamou de Sara.

John havia sido batizado na Igreja Luterana e, na sua certidão de batismo havia um versículo da Bíblia, extraído do Evangelho de Lucas, falando sobre um homem chamado Simeão. O nome o perseguia há anos e, em razão da escolha pelo pastor de sua igreja daquele particular versículo, procurou saber mais sobre o personagem.

A princípio, John acreditava que a escolha do versículo tivesse sido aleatória, havendo ali apenas uma coincidência. Contudo, John teve um sonho, onde se vê completamente perdido, altas horas da noite, correndo por um cemitério.

Inesperadamente, aparece à sua frente um homem vestido com um manto negro, que lhe diz para achar Simeão e ouvir o que ele tem a dizer.

John nunca soubera definir ao certo se havia algum significado para todas as coisas que considerava coincidências em sua vida envolvendo o nome de Simeão, enquanto sua mulher sempre tivera a crença de que havia algum significado oculto.

A vida de John, embora parecesse bastante equilibrada, tanto financeira quanto emocionalmente, em determinado momento começou a se desestruturar. Os negócios já não iam tão bem como antes e o seu relacionamento com a esposa e os filhos começou a apresentar atritos.

John sentia que estava fracassando como chefe, como marido e como pai.

Conversando com o pastor da igreja que frequentava, este lhe sugeriu que participasse de um retiro que abrigava monges da Ordem de São Bento, pessoas que viviam uma vida de trabalho, de oração e de silêncio.

O resumo de O Monge e o Executivo, evidentemente, não permite apresentar todos os detalhes, mas, na história, John aceita a ideia e conhece Leonard Hoffman no mosteiro, um ex-executivo de uma das mais potentes empresas norte-americanas, que abandonou tudo o que tinha em busca de um novo sentido para a vida.

John, embora animado com a ideia do retiro, continuava relutante em aceitar novas ideias. Sua primeira intuição era agradar a esposa. Ao chegar ao mosteiro para participar do retiro, descobriu que o nome de Hoffman no meio religioso era Simeão, fato que lhe causou muita surpresa.

No retiro, entre o que pôde aprender, estavam as questões de liderança. Simeão defendia que a base da liderança é a autoridade, sempre trabalhada com amor, dedicação e sacrifício, e não com o poder.

Assim, John aprende que, para ser um líder de sucesso, é necessário saber servir e ser respeitoso com as pessoas.

O resumo de O Monge e o Executivo e o que o livro ensina

O livro O Monge e o Executivo mostra John e outros participantes do retiro adaptando-se ao novo ambiente a participando de suas primeiras reuniões com o monge Simeão, que sempre se mostra uma pessoa respeitosa e pronta para compartilhar suas experiências e conhecimento, além de saber ouvir a opinião de todos os participantes e de assimilar com critério suas ideias e intervenções.

Os primeiros conceitos apresentados são sobre as qualidades de um bom líder e o respeito entre os superiores e os subordinados, além da virtude da confiança. A primeira regra é exatamente tratar os outros da forma como a pessoa gosta de ser tratada.

Como resumo de O Monge e o Executivo, podemos destacar que as principais características exigidas para um bom líder são:

  • Saber servir e ter um olhar acolhedor;
  • Não ter arrogância e ser respeitoso com as pessoas;
  • Não ter orgulho e solicitar ajuda quando for necessário;
  • Entender que a união ajuda a solucionar problemas e a trazer sabedoria;
  • Saber ouvir o que as pessoas têm a dizer, como sinal de atenção e respeito;
  • Opinar quando isso for necessário;
  • Ter um propósito definido para os liderados;
  • Ter liberdade para escolher e assumir o compromisso e as responsabilidades;
  • Ser honesto e mostrar confiabilidade;
  • Dar bons exemplos;
  • Conquistar a confiança dos liderados;
  • Encorajar as pessoas a agir com atitudes positivas.

John começou a perceber que todas as qualidades são comportamentos que devemos adotar e desenvolver.

O irmão Simeão, em suas exposições, coloca as definições de liderança, a diferença existente entre um gerente e um líder.

Enquanto o líder é a pessoa que consegue atrair a atenção para seus objetivos, o gerente é aquele que organiza as situações. Simeão mostra que a liderança é a habilidade de influenciar positivamente as pessoas para trabalhar com entusiasmo, procurando atingir objetivos identificados como sendo para o bem da equipe.

Assim, a liderança é uma atitude que oferece um significado real ao trabalho, fazendo as pessoas entenderem que vale a pena se engajar. A liderança é algo que permite às pessoas participar com seu trabalho e esforço de algo que vale a pena.

O líder é aquele que oferece esse significado para o trabalho, é aquele que traz voluntariamente o engajamento das pessoas.

O Monge e o Executivo mostra um modelo de liderança baseado na vontade, feito com amor, tornando os serviços e sacrifícios inspiradores de uma autoridade que, por sua vez, é o sustentáculo da liderança.

Na definição de liderança neste resumo de “O Monge e o Executivo”, podemos usar duas palavras principais: habilidade e influência.

A habilidade é a capacidade adquirida por um líder, que pode ser aprendida e desenvolvida quando aplicada em ações adequadas. Para influenciar as pessoas, é preciso que exista confiança, já que ninguém se relaciona com pessoas em quem não confia e, não havendo confiança, é impossível haver um bom relacionamento.

A confiança, portanto, mostra-se como a principal característica apresentada por um líder, dando suporte à sua posição e trazendo credibilidade para o que o líder apresenta.

A confiança é uma condição sem a qual não é possível manter a liderança, uma condição que, embora não possa garantir a formação de um líder, garante a base onde a liderança pode ser construída.

Assim, qualquer que seja a posição do líder, sua principal característica é inspirar confiança.

O Monge e o Executivo também apresenta as diferenças entre a autoridade e o poder.

A autoridade, segundo o autor, é a habilidade de levar as pessoas a realizar com boa vontade o que o líder quer em razão de sua influência pessoal. Assim, a autoridade é a capacidade de influenciar pessoas.

A autoridade é conquistada através da admiração e do respeito. Um líder pode conquistar autoridade através de seus exemplos, experiências e compaixão, entre outras qualidades.

O poder, por seu lado, é a faculdade de forçar ou de coagir as pessoas a fazer a vontade de outra em razão de sua posição ou de sua força, mesmo que as pessoas não queiram fazer.

Desta maneira, o poder é o exercício de autoridade através da força, podendo ser sustentado apenas pelo cargo de uma pessoa ou através do aliciamento moral.

O líder, nesse contexto, tem um papel bastante expressivo, já que deve usar a autoridade e não o poder, fazendo com que as pessoas o sigam de forma espontânea.

Manter um bom relacionamento com as pessoas permite a conquista de autoridade sem o medo e o respeito impostos pelo poder. Num sistema de liderança, as pessoas não se rebelam.

Assim, é preciso haver antes a concentração nos relacionamentos e somente depois nas tarefas, que se tornam uma consequência do bom relacionamento, embora deva se mostrar que a tarefa também é importante.

Percebemos, portanto, que tudo na vida gira em torno dos relacionamentos, seja com a religião, conosco mesmos ou com os outros. Um verdadeiro líder é aquele que tem a capacidade de construir relacionamentos saudáveis.

O resumo de O Monge e o Executivo mostra que os relacionamentos saudáveis com os membros de uma equipe, com os clientes e com os fornecedores é que asseguram um negócio estável.

A liderança, portanto, não deve ser aplicada apenas numa empresa, mas sim na vida pessoal, no relacionamento com a família, com as pessoas com quem se convive. Um líder nunca pode ser alguém que use de seu poder, mas sim de alguém que sabe usar a autoridade baseada na confiança e no amor.