Como montar carteiras de investimentos diversificadas?

Eu quero te mandar alguns Ebooks de Graça, deixe o seu Email.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Pinterest

Hoje em dia, o número de investidores na bolsa de valores é crescente, contudo muitos investidores iniciantes não sabem como montar carteiras de investimentos diversificadas.

Montar uma carteira de investimentos pode ser uma missão extremamente difícil para os investidores iniciantes, pois envolve o conhecimento dos ativos de renda fixa e renda variável.

Assim, uma das etapas mais importantes neste processo é o estudo de como funcionam cada um dos ativos em que você deseja investir.

Por exemplo, o investidor precisa saber como funciona a lei dos fundos imobiliários para entender como este tipo de ativo é capaz de gerar uma renda recorrente.

Por isso, este artigo vai apresentar algumas dicas e passos importantes para montar carteiras de investimentos diversificadas.

Mas, antes de tudo, vamos explicar o que é uma carteira de investimentos.

O que é uma carteira de investimentos?

Uma carteira de investimentos é um conjunto de ativos de renda fixa e renda variável que o investidor investe suas economias e acumula ao longo do tempo.

Os ativos de renda fixa são aplicações financeiras que normalmente têm desempenho atrelado a algum indexador de mercado. Por exemplo, alguns CDBs pagam um rendimento igual a 90 % do CDI.

Assim, os ativos de renda fixa normalmente não têm uma valorização expressiva ao longo do tempo, por causa do seu risco relativamente baixo.

Em contrapartida, os ativos de renda variável como fundos imobiliários e ações estão propensos a sofrerem as oscilações de mercado e, por isso, podem ter valorizações e desvalorizações mais fortes.

Em seguida, vamos falar de alguns passos e dicas para o investidor montar sua carteira de investimentos.

7 passos para montar carteiras de investimentos diversificadas

1 – Saiba o seu perfil de investidor

Quando o investidor quer montar sua carteira de investimentos, ele deve começar pensando no grau de risco que está disposto a correr. Este grau de risco é avaliado por um perfil do investidor.

O perfil do investidor classifica os investidores iniciantes em três classificações:

  • Investidor conservador – não gosta de correr grandes riscos e tem o maior percentual da carteira em ativos de renda fixa;
  • Perfil moderado – Gosta de correr riscos mais controlados e, consequentemente, balanceia a carteira entre ativos de renda fixa e renda variável;
  • Investidor arrojado – é aquele que corre mais riscos, ou seja, investe mais em ativos de renda variável em comparação a renda fixa.

Deste modo, o investidor consegue montar um perfil de risco adequado ao que está disposto a correr.

2 – Tenha uma reserva de emergência

Novamente, um dos passos mais primordiais para que o investidor tenha segurança para investir no longo prazo é ter uma boa reserva de emergência.

A reserva de emergência é um montante capaz de suprir suas necessidades financeiras básicas em situações de urgência como perda de emprego e problemas de saúde.

Uma boa reserva de emergência tem o valor das despesas mensais de 6 a 12 meses, caso o investidor tenha algum problema financeiro.

Dessa forma, compor uma reserva de emergência é capaz de trazer tranquilidade para que as economias e as fontes de renda extra sejam reinvestidas.

3 – Estude os ativos em que deseja investir para montar carteiras de investimentos diversificadas

Outro passo fundamental para o investidor montar carteiras de investimentos diversificadas é o conhecimento dos ativos disponíveis no mercado.

Pode parecer demagogia, mas a melhor forma de você escolher os ativos e ter tranquilidade para investir no longo prazo é conhecer os ativos em que deseja investir.

O conhecimento dos ativos de renda fixa e renda variável só vem através do estudo de como cada um deles funciona na prática.

Assim, entendendo como cada um funciona e sabendo dos riscos que eles possuem, fica muito mais fácil saber se você “não está pisando em ovos”.

Ter tranquilidade e segurança é essencial para que a mentalidade do investidor de longo prazo funcione.

4 – Escolha fundos imobiliários de diversos tipos e setores para sua carteira

Os fundos imobiliários são ativos de renda variáveis caracterizados pelo pagamento de dividendos mensais. Em contrapartida, existem diversos tipos e segmentos de fundos imobiliários negociados a mercado como:

Os principais tipos de fundos imobiliários são:

  • Fundos de tijolo – investem em imóveis físicos;
  • FIIs de papel – investem em certificados de recebíveis imobiliários;
  • Fundos de fundos – investem em cotas de outros FIIs
  • Fundos de desenvolvimento – investem no desenvolvimento de empreendimentos.

Os fundos de tijolos têm diversos segmentos como:

  • Fundos logísticos – investem em galpões logísticos;
  • FIIs logístico-industriais – investem em galpões voltados para operações industriais;
  • FIIs híbridos – investem em mais de um segmento simultaneamente;
  • Fundos de shopping centers – investem em participações em shopping centers;
  • Fundos de lajes corporativas – investem em prédios corporativos.

Então, baseado nesta diversidade de tipos e segmentos, é possível montar carteiras de investimentos diversificadas tendo como estrutura o investimento em fundos imobiliários.

 5 – Escolha ações de empresas sólidas e resilientes

Investir em ações também é um passo fundamental na montagem de carteiras de investimentos diversificadas. Contudo, os investidores iniciantes têm dificuldades para compreender o mercado de ações.

Como resultado disso, você tem dois caminhos: 1) assinar uma casa de análise da sua confiança; ou 2) estudar as empresas que deseja investir.

Independentemente da sua opção, escolha empresas com modelos de negócio que você conhece e, principalmente, escolha empresas com grande perspectiva de existência no futuro.

Por exemplo, não faz sentido investir numa empresa que tem um produto que ainda nem foi consolidado no mercado, pois o modelo de negócio pode não dar certo.

Então, no caso é igualmente importante escolher ações de diversos segmentos para buscar uma diversificação natural da sua carteira.

Por isso, vale sempre a pena olhar o histórico da empresa ao longo do tempo e como a empresa se reinventou durante os períodos de crise econômica.

Assim, a probabilidade de êxito de escolha da empresa que vai compor carteiras de investimentos mais diversificadas é grande.

É possível montar carteiras de investimentos diversificadas?

Certamente, é possível montar carteiras de investimentos diversificadas com base nas dicas que foram passadas anteriormente.

Desse modo, o investidor iniciante terá grandes chances de estruturar uma carteira sólida e com uma boa rentabilidade no longo prazo.

Por isso, seguir estas dicas torna-se crucial para um futuro mais confortável economicamente.

Um forte abraço a todos!

Até mais!

Rodrigo Colombo.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Pinterest

Últimos artigos

Artigos Passados

Que tal dar um gás no seu Aprendizado?

Faça algum dos nossos cursos e aprenda mais rápido e melhor!